Escola de Negócios EENI Business School

Colômbia-Estados Unidos (Acordo)



Compartilhar por Twitter

Conteúdo programático da unidade curricular (UC) da EENI

Acordo de Livre-Comércio Colômbia-Estados Unidos

  1. Introdução ao Acordo de Livre-Comércio Colômbia-Estados Unidos
  2. As vantagens para os exportadores e os importadores
  3. O acesso ao mercado
  4. Os serviços e os investimentos
  5. A Lei de promoção Comercial Andina e Erradicação de Drogas (Não em vigor)
  6. Caso de estudo: o cálculo dos impostos
  7. As oportunidades comerciais no mercado estadunidense
  8. O comércio exterior entre a Colômbia e os EUA

Estudante doutoramento / mestrado, negócios internacionais, comércio exterior

A UC «Colômbia-Estados Unidos (Acordo de Livre-Comércio)» é estudada nos seguintes programas ministrados pela EENI Global Business School:

Mestrado em Negócios Internacionais, Comércio Exterior.

Mestrados em Comércio Exterior e Negócios Internacionais

Doutoramento: Comércio Mundial

Doutorados (Doutoramentos) Profissionais em Negócios Internacionais

Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior + Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Colombia-Estados Unidos Estudar comércio exterior em Inglês online Colombia-United States Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Colombie.

Negócios nos Estados Unidos

Acesso preferencial / Acordos comerciais

Acordo Colômbia-Estados Unidos:

Em novembro de 2011 aprovou-se o Acordo de Livre-Comércio da Colômbia com os EUA.

A diferença da Lei de promoção Comercial Andina e Erradicação de Drogas (ATPDEA - expirou em julho de 2013), o Acordo de Livre-Comércio é um instrumento permanente que não requer renovações periódicas.

A Lei de promoção Comercial Andina limita-se ao comércio exterior de mercadorias enquanto o Acordo de Livre-Comércio cobre ademais o comércio exterior de serviços e os investimentos estrangeiros diretos (IED).

A Colômbia é membro da Comunidade Andina, e como tal, apesar de assinar o Acordo de Livre-Comércio (ALC), segue regendo-se pela normatividade andina.

O Acordo de Livre-Comércio (ALC) Colômbia-Estados Unidos incluiu os seguintes temas:

  1. O acesso ao mercado industriai e agrícola
  2. Os direitos de propriedade intelectual
  3. O regime de investimento
  4. As compras dos estados
  5. A solução de controvérsias
  6. A concorrência
  7. O comércio eletrónico
  8. O comércio de serviços

O Acordo de Livre-Comércio da Colômbia com os EUA beneficia principalmente às empresas exportadoras colombianas, já que podem exportar os seus produtos e os serviços para o mercado estadunidense em condições mais favoráveis.

Para os importadores colombianos a entrada em vigor do Acordo de Livre-Comércio implica uma diminuição dos custos da maquinaria, equipe, insumos e matéria-prima importada dos EUA pela eliminação imediata da grande maioria das tarifas aduaneiras (entre 5% e 20%).

43% das exportações colombianas dirigiram-se para os EUA, isto é, 16.900 milhões de dólares, enquanto os produtos estadunidenses que chegaram a Colômbia atingiu 10.400 milhões de dólares.

O Acordo de Livre-Comércio (ALC) Colômbia-Estados Unidos prevê uma melhora de acesso ao mercado, sobretudo através de eliminação das barreiras tarifárias e não-tarifárias ao comércio exterior de mercadorias e serviços, isto é, procuram um acesso preferencial e um tratamento nacional no mercado do outro país.

Os seguintes setores têm um elevador potencial de crescimento, tanto em produção como em exportação, graças às vantagens do Acordo de Livre-Comércio Colômbia-Estados Unidos: a externalização de processos empresariais, o software e as tecnologias de informação, os cosméticos, o turismo de saúde, o têxtil, o desenho e moda, o setor editorial e a indústria da comunicação gráfica, a energia elétrica, os bens e os serviços conexos, a indústria de autopartes e veículos, o chocolate, a carne bovina, palma, os azeites, as gorduras vegetais e biocombustíveis.

Os EUA são a maior fonte de investimento estrangeiro direto na Colômbia, particularmente nos setores do carvão e do petróleo.

O investimento estrangeiro direto ascendeu a 7.200 milhões de dólares.

Os capítulos do Acordo de Livre-Comércio Colômbia-Estados Unidos.

Medidas não-tarifárias no comércio exterior

- Dois: o tratamento nacional e o acesso ao mercado de mercadorias
- Três: os têxteis
- Capítulo Quatro: as Regras e o certificado de origem e os procedimentos de origem
- Cinco: Procedimento Alfandegário e a facilitação do comércio exterior
- Seis: medidas sanitárias e fitossanitárias (SPS)
- Carta Anexa sobre Obrigações Adicionais em matéria de MSF
- Sete: barreiras técnicas ao comércio
- Oito: defesa comercial
- Nove: Contratação pública
- Dez: Investimento
- Onze: o comércio transfronteiriço de serviços
- Doze: o comércio de serviços financeiros
- Treze: Política de concorrência
- Catorze: as telecomunicações
- Quinze: o comércio eletrónico
- dezasseis: os direitos de propriedade intelectual
- dezassete: Assuntos Trabalhistas
- Dezoito: Médio ambiente
- dezanove: Transparência
- Vinte: Administração do acordo e Fortalecimento das capacidades Comerciais
- Vinte e um: Solução de controvérsias
- Vinte e dois: Exceções Gerais
- Vinte e três: as disposições finais.

O Acordo de Livre-Comércio Colômbia-Estados Unidos é um acordo pertencente à Civilização Ocidental (Espaço Económico Americano - Latino-Americano).




(c) EENI Global Business School (1995-2024)
Não usamos cookies
Topo da página

EENI: O Conhecimento leva à unidade, assim como a ignorância à diversidade